Como pode a sua empresa ajudá-lo a poupar dinheiro com créditos?

0
980
poupar dinheiro com créditos

Pode parecer impossível, mas a sua empresa pode ajudá-lo a poupar dinheiro com os seus créditos. Se quiser saber como, continue a ler este artigo, onde lhe explicamos o que precisa de fazer para reduzir as suas responsabilidades financeiras. E pode poupar muito dinheiro sem grande esforço.

  1. Conheça os créditos que tem

O primeiro passo neste processo consiste em perceber todos os créditos que tem atualmente:

  1. Qual a finalidade de cada crédito;
  2. Qual a taxa de juro que paga atualmente;
  3. Qual o valor das prestações e comissões que paga todos os meses.

Em princípio, um crédito para compra de habitação (cujo prazo é, habitualmente, longo) apresenta taxas  de juro mais baixas em relação aos créditos de curta duração. Se no caso do crédito para compra de habitação pode beneficiar da diminuição do spread, através da negociação com o seu banco, nos restantes casos, por exemplo créditos pessoais com taxas mais altas, deve procurar com atenção as melhores soluções do mercado.  Já lá iremos.

  1. Veja o espaço que tem no seu orçamento familiar para prestações com créditos

O segundo passo consiste em perceber qual o valor que pode dispor todos os meses para pagar as prestações com créditos. É certo que existem soluções que podem baixar em muito o valor das suas prestações, mas também não convém aumentar demasiado o prazo porque quanto mais tempo demorar a pagar, maior será o valor dos juros que suporta. Assim, sugerimos que procure ter um valor de prestações que se adeque ao seu orçamento/despesas familiares e que este valor não seja demasiado baixo (pois será sinónimo de que ficará muitos anos a liquidar os seus créditos).

  1. Some todos os créditos de curto prazo

Para poupar dinheiro a sério nos créditos deve focar-se em especial nos créditos de curto prazo. Falamos aqui de cartões de crédito, do descoberto da conta ordenado ou de outros créditos pessoais. Estes são aqueles créditos com taxas de juro mais elevadas, que poderão ser reorganizados/repensados no sentido de reduzir os seus encargos e por consequência a pressão no seu orçamento familiar. Como? Por exemplo, através da substituição e concentração num único produto.

  1. Informe-se da solução Crédito no Recibo com os Recursos Humanos da sua empresa

O próximo passo para começar a poupar passa por falar com os recursos humanos ou com a sua chefia sobre a solução de crédito no recibo. Esta solução inovadora está agora a ser adotada por muitas empresas, em parceria com a Puzzle – Crédito no Recibo (um crédito pessoal do Banco BNI Europa). Pode acontecer que a sua empresa ainda não tenha feito o acordo, mas pode sempre pedir para que tal aconteça (na prática, não tem custos para a empresa).

O Crédito no Recibo tem algumas características:

  • Possibilidade de pedir um crédito novo ou reduzir encargos e responsabilidades financeiras, através da liquidação e substituição de outros créditos já existentes com taxas de juro superiores (ex. cartões de crédito, crédito pessoal, automóvel);
  • O valor da prestação é-lhe deduzido no vencimento. Assim, o risco para o banco é menor, o que faz com que a taxa de juro seja mais reduzida;
  • Taxas de juro competitivas;
  • Processo de contratação do crédito é 100% online e financiamento até 48 horas após aprovação, podendo ser mais rápido dependendo principalmente do processo selecionado para submissão de dados bancários.

Porque pode fazer um Crédito no Recibo junto da Puzzle?

O Crédito no Recibo é uma solução inovadora que lhe permitirá poupar dinheiro todos os meses (com uma taxa de juro mais baixa e com possibilidade de alargar prazos) caso tenha outros créditos com custos mais elevados. Com esta poupança poderá ter mais segurança, conforto financeiro e libertar espaço no orçamento familiar para viver com maior desafogo. Tenha em mente que esta solução está ao seu alcance sem que tenha de lidar com muitas burocracias. Porque não começar já hoje a poupar dinheiro? Informe-se desta solução e fale com a sua entidade patronal.

Avalie este artigo

Deixe um comentário

avatar
  subscrever  
Notificação de