Quanto poupar todos os meses para atingir a reforma dos seus sonhos

Reforma

Quanto poupar todos os meses para atingir a reforma dos seus sonhos

3 min Partilhar 31 de Agosto, 2021

Search
Generic filters
Exact matches only
reforma dos sonhos

De acordo com um estudo recente da União Europeia, em 2040 as pensões de reforma serão cerca de 50% do valor do salário. Hoje ao reformar-se, mesmo na idade legal (66 anos e 7 meses) e com 40 anos de descontos já perde cerca de 30% do seu salário, mas nessa altura a quebra de rendimento ao entrar na reforma será muito grande.

Assim, mesmo que hoje ainda seja jovem, e ache que a data em que vai deixar de trabalhar ainda vem longe, é altura de começar a poupar. Uma mensagem pouco popular, mas urgente e fundamental. Neste artigo vamos ajudá-lo a perceber quanto poupar para a reforma.

Poupar ao longo da vida ativa

Mesmo que tenha iniciado agora a vida ativa e por isso o seu salário não seja muito elevado, pense que tem de poupar para quando deixar de trabalhar.

É certo que nesta altura deve estar a pensar que essa data ainda vem longe e tem outras prioridades: a viagem que gostaria de fazer, a compra do móvel para a sala de jantar, o pagamento da prestação mensal do crédito habitação, o seguro de saúde….

E ainda por cima acabou de ler um artigo sobre o fundo de emergência e decidiu que tem de pensar nisso: ter uma almofada de 3 a 6 meses de salário para fazer face a situações imprevistas como o desemprego e decidiu que tinha de fazer.

Sim, é certo, tem isso tudo e, se está a pensar ter filhos, já sabe que irá ter custos acrescidos nos próximos anos, mas não se esqueça, o futuro está já ao virar da esquina. Ou seja, junte às suas preocupações, a necessidade de fazer uma poupança mensal ao longo da sua vida ativa para colmatar a redução de rendimentos que irá ter quando entrar na reforma.

Quanto poupar mensalmente para a reforma

Gostaríamos de ter a resposta certa, mas infelizmente vamos dar-lhe aquela que menos vai querer ouvir: “depende”. Pois, de facto, depende de muitos fatores: depende dos seus objetivos e necessidades em relação à reforma. Ou seja, vai querer manter o mesmo padrão de vida que tem na vida ativa. E depende também se tem outras fontes de rendimento que não sejam só o seu salário.

Mas uma coisa é certa, numa altura que se acentua a previsão de redução das pensões vai ter de poupar.

Seguir a regra do 50 30 20 pode ajudar

Regra 50 30 20

A regra 50 30 20 é simples e é defendida pela maioria dos especialistas. Para ser eficiente a sua utilização tem de analisar o seu orçamento familiar: ou seja, os seus rendimentos e os seus gastos.

Feito isto, tenha em conta que os seus rendimentos devem ser gastos da seguinte maneira:

  • 50% do seu rendimento deve ser gasto com despesas fixas (renda da casa ou prestação do crédito habitação, água, luz, gás, telefone, seguros), alimentação e transportes
  • 30% deve ser gasto com o seu estilo de vida: roupa, restaurantes, lazer (cinema, museus, concertos) e ginásio
  • 20% para poupança

Dos 20% da poupança destine metade para a reforma

Os 20% do seu salário destinado à poupança podem ser usados para os diferentes tipos de poupança, o nosso conselho é que coloque 10% para a reforma.

Se puder guarde 15%, mesmo que tire os restantes 5% do 30% destinados ao seu estilo de vida.

Se ganhar 1.200 euros e poupar por mês 120 euros, no final de um ano terá poupado 1.680 euros (com o subsídio de férias e Natal). Ao final de 30 anos terá 50.400 euros, e no final de 40 anos terá poupado 67.200 euros. E isto sem considerar eventuais juros sobre o dinheiro poupado.

Rentabilizar a poupança

Mas não basta poupar, terá de rentabilizar as suas poupanças. O ideal será investir em produtos financeiros com rentabilidade superior à taxa de inflação.

O tipo de investimento que fizer tem de estar de acordo com o seu perfil de risco, mas tenha em atenção que taxas de rentabilidade mais alta têm sempre riscos associados como o não terem capital garantido.

Atualmente, numa altura em que os depósitos a prazo estão com taxa de juro muito baixas, pense noutros produtos alternativos, também eles de capital garantido, como os PPR, os certificados de aforro e os certificados do tesouro. Já agora, veja como pode combinar as suas poupanças para a reforma com o imobiliário.

Mas como dissemos, a decisão de investimento é sua e depende do seu perfil de risco, ou seja, do que está disposto a arriscar para ter uma maior rentabilidade. Em qualquer dos casos, a nossa recomendação é simples e mantém-se: comece já a poupar para poder ter amanhã a reforma dos seus sonhos.



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Em que podemos ajudar?

Outro