Crédito – Famílias Continuam Afogadas

Crédito Finanças Pessoais

Crédito – Famílias Continuam Afogadas

3 min Partilhar 13 de Abril, 2016

Search
Generic filters
Exact matches only
Filter by Custom Post Type
crédito e dinheiro

Nos últimos dias saiu a atualização dos dados de incumprimento de contratos de crédito. Todos os meses o Banco de Portugal divulga estas estatísticas. Infelizmente, os dados são preocupantes e devem-nos levar todos a refletir. Em última análise, temos de atacar o problema de modo a resolvê-lo pela raiz…

Incumprimento nos Valores Mais Altos Desde Novembro

Janeiro e Fevereiro foram meses de aumento do incumprimento dos contratos de crédito em Portugal, elevando o montante total para os valores mais altos desde Novembro de 2015. Tendo em consideração que a taxa de juro dos créditos tem vindo a cair todos os meses, induzindo uma queda das prestações mensais, deveremos ficar preocupados e procurar perceber a que se deveu esta inflexão.

Malparado Sobe em Vários Tipos de Crédito

Focando a nossa atenção nas famílias, vimos que o incumprimento de contratos de crédito é agora de 4.3% de todos os contratos. Sendo o empréstimo habitação aquele que representa a maior fatia de todo o endividamento, é preocupante perceber que o incumprimento está no valor mais elevado de que há registo. Na prática, 2.6% de todos os contratos de crédito habitação estão com dificuldades. Se assumirmos que esta é a grande prioridade das famílias, percebemos que a situação é grave.

Crédito ao Consumo e Cartões de Crédito Trazem a Ruína Financeira

A contratação de um crédito habitação pode ser essencial para ter acesso a uma habitação a preços razoáveis (sabemos que em Portugal é muitas vezes mais barato pagar a casa ao banco do que pagar um arrendamento). No entanto, a contratação de crédito ao consumo ou de crédito para outras finalidades poderá ser menos justificável pela necessidade. Não é errado pedir dinheiro emprestado. Mas é errado pedir um crédito pessoal cuja prestação não conseguimos acautelar no nosso orçamento familiar. Falamos de crédito responsável…

A consequência do não pagamento do crédito habitação é perder a casa. A consequência do incumprimento num cartão de crédito é menos gravosa, pelo menos no curto prazo. Isto justifica que os níveis de incumprimento de empréstimos pessoais estejam atualmente em 9.3% e o de crédito para outras finalidades em sensivelmente 15%.

O Que Fazer Neste Contexto?

Um dos principais sintomas de doença financeira é não querer saber dos problemas. É ter receio em conhecer e enfrentar os problemas. Assim, o primeiro passo consiste em conhecer com rigor o problema. Fazer um diagnóstico financeiro. De seguida, conhecedores da realidade, temos de atacar o problema de frente. Com coragem!

É Possível Renegociar Os Créditos e Poupar Muito Dinheiro

Se tiver incumprimentos ou atrasos de pagamento (conhecidos como ter o nome na lista negra do Banco de Portugal) saiba que não pode ter acesso ao crédito. Não pode também pedir um crédito consolidado. Os bancos estão vedados por lei a emprestar-lhe dinheiro. Deste modo, a alternativa mais interessante para reduzir os seus encargos passa por negociar todos os seus créditos. Aliás, é muitas vezes mais vantajoso negociar os créditos do que consolidar.

E se Puder Renegociar e Consolidar Créditos?

Depois de negociar os seus créditos irá conseguir “limpar” o seu nome da lista do Banco de Portugal e reduzir os seus encargos com créditos. Estes dois fatores em conjunto permitem-lhe ser um cliente mais apetecível junto da banca. Podemos falar de uma reabilitação… e depois desta reabilitação poderá tentar consolidar os seus créditos todos num só.

O Que Concluir?

Os problemas de incumprimentos vão-se manter quer estejamos em austeridade ou quer olhemos para o futuro com maior otimismo. Isto porque os problemas não se resolvem sozinhos. Deste modo, temos de perceber os motivos de incumprimento de créditos, tirar conclusões e iniciar um caminho de reabilitação financeira. Pode demorar algum tempo mas é possível mudar de vida. É possível poupar dinheiro… não acredita?



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Olá, sou o João, em que posso ajudar?

Outros