Portugueses à Procura das Indemnizações… E do Subsídio de Desemprego.

As Famílias estão “à rasca”. As Empresas “à rasca” Estão. É a Total Economia Portuguesa “à rasca”.

Já pouco se ouve falar da esperança e expectativa das empresas darem a volta por cima… E por isso já todos pensam nas eventuais e desejáveis indemnizações pelos despedimentos e o subsídio de desemprego que a lei portuguesa atribui. Mas espera aí, isso somos nós que pagamos enquanto alguém o usa sem produzir nada – podemos chamar-lhe “repouso económico” –, nós via segurança social, que está mais falida que todos nós juntos. É um mealheiro rachado sem fundo, sempre a pingar. Por um período de reorganização faz sentido, mas não pelo tempo que é.

Por outro lado é rara a pessoa a quem se pergunta como está e como estão as coisas com ela e que a primeira reação não seja logo que está farto do trabalho/empresa onde está, a menos que tenha mudado há menos de 6 meses. Será que a satisfação passou a ser um “estado” em via de extinção? Mas curiosamente a maioria das pessoas, por pior que estejam, continuam lá. Não procuram mudar. Pelo contrário, vão acomodando-se à situação e pouco ou nada fazem para melhorar.

É Pena Mas é Verdade. Mas Está na Hora de Mudar!

A primeira coisa a fazer é mudar a ATITUDE. Em vez de esperarmos que algum Espírito Santos (até porque estes agora precisam é de fazer por eles – não resisti a fazer este trocadilho) nos ajude numa solução, é preciso sermos nós a criar a solução. Criar e concretizar. E sim, é preciso falar em termos verbais e não em adjetivos, pois são os verbos que demonstram Acão. Falar em adjetivos parece que estamos a falar dos outros e à espera que alguém oiça e nos entregue a solução servida à mesa, e já agora (pois nós adoramos o “já agora”), com direito a bebida e sobremesa. Sim porque parece que é alguém que nos tem de arranjar a solução e não nós… Mas está errado. Somos nós que temos de arranjar a solução.

A segunda coisa é ter VONTADE. Ou estamos determinados em mudar e ter novos horizontes ou alternativas ou então não funciona. Com exceção do Euro milhões, ninguém fica rico da noite para o dia. Para vivermos melhor e mais desafogados é preciso produzir, gerar riqueza e crescer. Podemos fazer isto trabalhando por conta de outrem ou por nós próprios. Seja qual for a opção, temporária ou definitiva, ter vontade é fundamental para conseguir.

Por último é absolutamente necessário CUMPRIR. Este 3s ingredientes juntos são absolutamente arrasadores. Isolados valem o que valem por si só. É um bom exemplo para a expressão: o todo é maior que a soma das suas partes. Com atitude e vontade, pouco nos impede de cumprir. Faltam recursos? Falta tempo? Falta imaginação?…será que falta mesmo? É porque quando aparece um concerto, um jogo importante ou um convívio, os recursos e o tempo surgem do nada e esses eventos enchem de expectadores. Ah, a imaginação, é verdade. Não, essa também não falta pois, acredite-se ou não, o ser humano é um poço sem fundo de imaginação e criatividade. Apenas precisa de fazer exercício mental para isso, tal como se vai fazer exercício físico, caso ela não surja com tanta naturalidade.

Entretanto já me esquecia da base do real problema. É que se nos focamos apenas no “repouso económico”, estamos a acelerar aquilo que todos nós já conhecemos, que é a falência e fim desse porquinho mealheiro. Deixem o que ainda sobra para aqueles e aquelas que infelizmente estão realmente limitados, seja por questões de idade, saúde ou outras limitações sérias. Nós que estamos em condições de concretizar, vamos assumir o nosso lugar e vamos ter esta nova ATITUDE, VONTADE de vencer e CUMPRIR com aquilo a que nos propomos mudar.

Arregacem as mangas, levantem a cabeça e olhem para a frente, pois é em frente que é o caminho!

4Olhos, por Fernando Côrte-Real



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Olá, sou o João, em que posso ajudar?

Outros