Fintechs – Taxas Médias entre 7% e 12%

0
433

Tenho escrito sobre a evolução dos meus investimentos junto de algumas das principais Fintechs, deixando também algumas notas sobre o que pretendo fazer de futuro. Neste artigo atualizo o desempenho e as estratégias com data de finais de Outubro.

Mintos – Taxa média de 12.07%

A Mintos é a Fintech que me tem trazido um maior retorno em termos de percentagem. Atualmente tenho 52 empréstimos e uma taxa média próxima de 12%. Para esta plataforma tenho alguns pensamentos:

  • Mantenho todos os investimentos com garantia de recompra. Não quero investir em produtos com risco pois não controlo o processo de concessão de crédito e não quero inventar;
  • Da minha carteira, a taxa de incumprimento no primeiro mês foi superior a 10% e no segundo mês foi de 3.5%. Temos de ter em mente que este risco não é meu pois, mais uma vez, os créditos estão garantidos.
  • Deverei aumentar o meu investimento pois é claramente a plataforma que tem uma maior oferta, pelo que o dinheiro que lá aplicar é rapidamente investido;
  • É importante reforçar que só veremos o retorno no nosso painel de controlo quando os clientes pagarem. Estamos a falar de empréstimos que vão sendo pagos todos os meses.

Twino – Taxa média de 8.52%

Gosto bastante da Twino, talvez porque foi a primeira Fintech onde apliquei o dinheiro e onde vou tendo uma história mais longa. Tendo dito isto, a taxa de retorno que tenho não é nada má, se bem que não é a maior. Decidi diversificar o risco pelas diversas plataformas uma vez que assim não só diversifico o risco do ativo (neste caso, dos empréstimos) com o risco associado às plataformas de comercialização dos empréstimos.

Por enquanto vou manter o volume investido nesta plataforma que também é aquela onde tenho mais capital aplicado.

Raize – Taxa Média de 3.5%

Tenho vindo a aprender com o meu investimento nesta plataforma. A taxa média de todos os meus créditos ativos é de 7.2%. No entanto, esta taxa é enganadora uma vez que não considera os empréstimos que estão atrasados (no meu caso é de perto de 3%) nem considera o capital que não está investido.

Considero claramente que a taxa de retorno não é adequada para o nível de risco pelo que já parei os meus investimentos e vou continuar a reduzir o meu investimento nesta plataforma. A relação risco e retorno não é interessante, antes pelo contrário e especialmente se tivermos em consideração os investimentos que acima exponho.

Novas plataformas

Vai ser no mês de Novembro que vou abrir a minha conta no ViaInvest e em breve irei fazer uma revisão de algumas plataformas de investimento imobiliário coletivo. Estou também no processo de abrir uma conta na Envestio, uma plataforma que diz pagar taxas superiores às taxas que acima referi. Como sempre, começar com pouco e reforçar se vir que vale a pena.

Advertência

Tenha em mente que todos os investimentos dignos desse nome têm um risco. Quem investe nestas plataformas corre o risco do empréstimo, o risco da eventual falência da plataforma e caso queira poderá ter também riscos cambiais. É a vida. Quem não arrisca não vai a lado nenhum. O fundamental e conhecer os riscos, diversificar e gerir riscos. E não inventar

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPorque é que o processo de avaliação de crédito puzzle é tão rápido?
Próximo artigoImportância da renegociação e consolidação de crédito no investimento imobiliário
João Morais Barbosa
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA