Nova era bancária

0
76

A atividade de Intermediação de Crédito está a sofrer alterações estruturais. Estas alterações estão suportadas num Decreto-Lei que estabelece os requisitos de acesso à atividade, o que implica entre outras coisas, que estas empresas estejam registadas junto do Banco de Portugal (BdP).

A lei obriga ao registo do intermediário de crédito

A Lei obriga que este processo de registo dos intermediários que já atuavam no mercado, ocorra até ao final do ano, pois caso contrário não podem continuar a atividade até que o BdP se pronuncie. A Reorganiza já tem a sua autorização concedida, o que nos confere uma garantia de qualidade na prestação do serviço, que tanto nos orgulha.

É importante percebermos os movimentos que estão a acontecer no mercado bancário em Portugal (e pela Europa em geral). Nomeadamente, o facto da disseminação da internet e as constantes melhorias tecnológicas implicarem que o cliente bancário já não se contente com o tratamento dos balcões. As agências são importantes, e para algum tipo de clientes será sempre a melhor opção, mas para a maioria dos clientes bancários as soluções de mobile banking e os canais digitais são a forma privilegiada de tratar estes assuntos.

O registo vem limitar os receios de insegurança

Assim sendo, a generalidade dos intermediários de crédito posiciona-se também na via digital como uma peça essencial para agilizar as relações entre clientes e bancos. Os eventuais receios de segurança que os clientes poderiam ter em partilhar informação sensível com os intermediários de crédito, deixam de ter razão de existir sempre que estejam a relacionar-se com um Intermediário de Crédito registado pelo BdP.

Pois os requisitos que são exigidos aos Intermediários não se esgotam no processo de candidatura, mas prolongam-se ao longo do tempo. É importante que os clientes tenham presente que a nossa avaliação também passa por critérios qualitativos, que nos exigem manter níveis de serviço de excelência, quer para o crédito ao consumo quer para o crédito habitação. Que esta nova Lei seja benéfica sobretudo para os clientes que, tantas vezes, consideram-se numa situação de fragilidade na relação com o Banco.

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorConciliar a vida profissional e a vida pessoal é possível
Próximo artigoMudanças no Crédito Habitação
João Morais Barbosa
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA