Transferências por MB WAY vão ter um custo? Tudo o que precisa de saber

0
33

É um utilizador do serviço MB WAY e foi surpreendido pelas mais recentes notícias que apontam para que este serviço vai ter um custo? Está com dúvidas sobre o que irá acontecer e tem medo que o MB WAY deixe de ser interessante? Neste artigo vamos procurar clarificar a neblina que foi levantada e mostrar o que pode fazer.

Em que consiste o serviço MB WAY?

Com as mais recentes inovações no serviço MBWAY é provável que não tenhamos em mente todas as potencialidades deste serviço. De forma resumida, através da aplicação MBWAY pode, de forma gratuita:

  1. Enviar e receber dinheiro de forma imediata, com alguns limites diários e mensais;
  2. Pagar compras em pontos de venda físicos (tanto com QR Code ou NFC);
  3. Levantamentos bancários sem cartão (esta uso imenso, especialmente quando me esqueço do cartão);
  4. Efetuar compras online e usar os cartões MB Net.

O Serviço MB WAY tem um custo?

O serviço MB WAY é promovido e gerido pela SIBS, o mesmo operador que gere a rede MULTIBANCO. Como no MULTIBANCO, a SIBS não cobra um custo pelo serviço. Aliás, as transferências no multibanco são gratuitas, o mesmo não acontecendo no homebanking de alguns bancos. A SIBS não cobra qualquer custo aos utilizadores. Já os bancos…

Porque se diz que o serviço MB WAY vai ter um custo?

A SIBS não é a única entidade que está envolvida no processo de transferências via MB WAY. Ou seja, como o dinheiro é movimentado entre duas contas bancárias, existem bancos envolvidos. Neste momento todos os bancos estão a isentar as transferências. Mas existe a possibilidade de alguns bancos virem a começar a comissionar as transferências por esta via.

Porque é que isto acontece nesta fase?

Como sabemos, os bancos têm vindo a ser tentados a aumentar as comissões que cobram aos seus clientes. Aumentar comissões é não só uma tentação, mas também uma forma de aumentar as receitas apostando na inércia.

O serviço MB WAY tem sido um enorme sucesso porque é um serviço muito bom. É muito útil, muito prático, imediato e sem custos. Por todas estas vantagens os portugueses aderiram em massa ao serviço o que acabou por prejudicar os bancos que viam nas comissões de transferências bancárias uma importante fonte de receita (especialmente as novas transferências imediatas). Como perderam utilizadores e receitas acabam por tentar compensar por esta via.

O que fazer em resposta?

Não é certo quais as entidades que vão passar a cobrar pelo serviço de transferências MB WAY. Aliás, vários bancos têm no seu preçário uma comissão que não aplicam na prática. No entanto, parece que esta será uma tendência pelo menos para uma parte dos bancos tradicionais na tentativa de aumentar a sua rentabilidade.

Temos feito algumas análises sobre os melhores bancos para ter a sua conta à ordem ou conta ordenado e temos focado cada vez mais a atenção nos bancos que apostam nas ferramentas digitais, na conveniência e na eliminação de comissões bancárias. É certo que não podemos avaliar a qualidade de um produto ou serviço pelo seu preço, mas para a generalidade das funcionalidades de um banco deveremos apostar no baixo custo.

Se há bancos que não nos cobram comissões de manutenção, comissões de cartões e outros serviços (ao mesmo tempo que remuneram a sua conta à ordem), por que motivo insistir em ter um relacionamento bancário com uma entidade que aproveita todas as oportunidades para lhe cobrar comissões? Bancos há muitos mas MB WAY há só um!

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorLivros Financeiros da Reorganiza – Melhore As Suas Finanças Pessoais
Próximo artigoInvestir – Como estou a ganhar 11.7% ao ano?
João Morais Barbosa
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA