Novas medidas para o arrendamento

0
384
arrendamento

O mercado de arrendamento teima em não acertar. A inflação dos preços das habitações, muito suportada pelo turismo e pelo crescimento do crédito habitação, tem levado ao aumento das rendas.

Já Tivemos Algumas Medidas De Apoio Ao Arrendamento

É hoje bastante mais caro viver em casas arrendadas mas também é crescentemente mais caro comprar uma nova habitação (e os impostos estão a subir). O que fazer neste cenário?

A resposta não é linear e muito menos simples. Todos precisamos de uma habitação mas infelizmente o rendimento disponível das famílias não tem acompanhado. Neste contexto o Governo tenta encontrar alternativas para incentivar o mercado de arrendamento. Já tivemos alterações que permitiram facilitar o despejo dos inquilinos incumpridores e aumentar as rendas antigas. Fala-se agora de isenções fiscais em sede de IMI e de imposto sobre mais-valias.

É Melhor Comprar Ou Arrendar Casa?

Será que vale a pena comprar uma habitação, agora que o crédito habitação está mais fácil? Talvez, mas terá de garantir que consegue dar um valor de entrada e ter em consideração que em breve as taxas Euribor podem subir. Será que vale a pena arrendar? Talvez, mas aí terá de comprar custos e avaliar a relação entre o custo e a flexibilidade.

Infelizmente, em momentos como estes as famílias acabam por ser pressionadas a sair das cidades e viver nas periferias. É tudo um jogo de custo e benefício. Ganham os investidores e perde quem tem dívidas. E quem tem dívida terá de pagar juros, custos diversos, seguros, comissões. Enfim. Venham as medidas para apoio ao arrendamento!

Nota: Artigo adaptado de crónica no Jornal Destak

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPorque É Que O Défice É Mau?
Próximo artigoComo Renegociar Seguros
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

*

code