Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável

Finanças Pessoais Glossário Financeiro Investir

Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável

4 min Partilhar 23 de Janeiro, 2017

Search
Generic filters
Exact matches only
Obrigações do Tesouro

Neste artigo iremos olhar com atenção para as Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável disponíveis para as famílias, para as suas potencialidades e riscos e compará-lo com outras alternativas disponíveis no mercado.

O Que São Obrigações Do Tesouro?

Obrigações do Tesouro (OT) são títulos de dívida pública. Ao comprar uma OT está a emprestar dinheiro a um País, para que este possa fazer face às suas despesas ou investimentos. Como veremos adiante, todas as obrigações têm um conjunto de características:

  • Emitente – Quem pede dinheiro emprestado;
  • Possibilidade de transação em mercado – Pode comprar e vender quando quiser;
  • Taxa de juro – Também denominada como taxa de cupão (com reduzidas exceções). É uma taxa anual, apesar de poder ser paga com outra periodicidade (por exemplo, uma taxa anual de 2% representará uma taxa semestral de 1%);
  • Prazo – Momento de devolução do dinheiro pelo emitente ao comprador da obrigação;
  • Valor Nominal – Assemelha-se ao preço das ações. Preço ao qual é emitida a obrigação.

Vale a Pena Comprar Obrigações do Tesouro?

A compra de obrigações do tesouro é algo que pode fazer sentido numa carteira de investimento diversificada. Claro que nem todos os produtos são adequados a todos os investidores ou a todos os momentos de mercado, especialmente se estivermos a falar de produtos com risco ou incerteza nos rendimentos. Assim, sugerimos duas regras de prudência:

  1. Compre apenas produtos cujas potencialidades e riscos conhece e com os quais está confortável;
  2. Não concentre todo o risco da sua carteira num único produto (ou seja, diversifique).

Qual o Risco das Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável?

As Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável são produtos com risco. Do rol de riscos que corre chamamos a atenção para os seguintes:

  • Risco de Crédito – Quem empresta dinheiro a alguém corre o risco desse alguém não lhe devolver o dinheiro de volta. Este é o risco de crédito. Para medir o risco poderá recorrer a agências de Rating (e aqui Portugal não está muito bem cotado) e ter alguma sensibilidade ao momento político, económico e financeiro do país.
  • Risco de Mercado – As obrigações do tesouro são transacionadas num mercado financeiro. Deste modo, estão permeáveis às oscilações do preço, que acabam por estar relacionadas com a perceção de risco de crédito referido anteriormente. Adicionalmente, é um risco que depende do sentimento dos investidores, que como sabemos tem muito pouco de racional. Se mantiver as obrigações até à maturidade saiba que não corre este risco de mercado.
  • Risco de Taxa de Juro – Um último risco que se prende com a possibilidade das obrigações deixarem de ser atrativas face a produtos alternativos. A bem da verdade, se estamos a falar de obrigações com um rendimento variável, este risco é diminuído pois se as taxas de juro de mercado começarem a subir, o rendimento destas obrigações irá ser ajustado (não implicando na desvalorização destas obrigações).

Características das Obrigações do Tesouro Rendimento Variável Maio 2021

  • Montante mínimo de subscrição – €1.000 e possibilidade de compra de montantes adicionais em lotes de €1.000;
  • Investimento Máximo de €1.000.000;
  • Prazo – 5 anos (reembolsado em Maio de 2021);
  • Taxa de Juro – Euribor a 6 meses + 2.20% (a taxa mínima é de 2.20% o mesmo será dizer que não admite Euribor negativa);
  • Onde Comprar – Em qualquer balcão dos Bancos BPI, CGD ou NovoBanco.

Vale a Pena Comprar?

Com taxas de juro de depósitos a prazo tão baixas podemos ser tentados a comprar estes produtos de “olhos fechados”. No entanto, sugerimos que tenha em atenção o seguinte:

  • Taxa de Juro – A taxa de juro oferecida é potencialmente interessante, mas tenha em atenção o valor das comissões que falaremos de seguida. Sendo taxa variável protege o investidor para a eventualidade de subida das taxas de juro de mercado;
  • Estabilidade do Produto – O Estado não pode mudar as regras unilateralmente, o que confere uma maior previsibilidade (o que não foi visível no passado no caso dos certificados de aforro, por exemplo);
  • Comissões – Para comprar, manter, receber juros e vender as obrigações irá ter de pagar comissões ao seu banco. Estas comissões podem ser de tal maneira elevadas que poderá tornar estes produtos muito pouco atrativos;
  • Prazo – Garanta que não necessita do dinheiro nos próximos 5 anos pois se precisar de vender antes dessa altura irá incorrer no risco de mercado que falámos anteriormente;
  • Risco – Supostamente emprestar dinheiro ao Estado deveria ser o investimento com menos risco no mercado… no entanto, é um risco em teoria, especialmente se considerarmos que não existe um Fundo de Garantia de Obrigações…
  • Montante – Se tiver montantes para investir acima de €50.000 talvez faça mais sentido ir diretamente ao mercado de capitais para fazer a sua compra…
  • Diversificação – Ao investir nestes produtos garanta que consegue diversificar os seus riscos.

As OT são Melhores do Que os Depósitos a Prazo?

Se compararmos as OT com depósitos a prazo a 5 anos vemos que estes produtos são potencialmente melhores quer em termos de risco quer em termos de retorno. Assim, se tiver a possibilidade de investir mais de €5.000 e para um prazo de 5 anos, deverá optar pelas OT em detrimento dos depósitos a prazo.

As OT são Melhores do Que os Certificados de Aforro?

O risco das OT é semelhante ao risco dos certificados de aforro, pois o emitente é o mesmo (o Estado). No entanto, as taxas de juro das OT são mais interessantes do que os certificados de aforro (a não ser na série C mas neste caso o prémio só irá durar até final de 2016). Para montantes mais baixos e para prazos mais reduzidos os certificados de aforro deverão ser uma opção mais vantajosa.

As OT são Melhores do Que os Certificados do Tesouro Poupança Mais?

O risco das OT é semelhante ao risco dos certificados de aforro, pois o emitente é o mesmo (o Estado). As taxas de juro na sua componente fixa são semelhantes nos dois produtos, sendo que nas OT têm a possibilidade de subida no futuro e nos CTP+ o prémio potencial está dependente do crescimento do PIB acima de determinados níveis. Ao nível de comissões, os CTP+ são mais interessantes (não têm todas as comissões associadas). Assim, para tomar a sua decisão terá de ver o que o deixa mais confortável em termos de incerteza.

E Porque Não Fundos de Investimento?

É possível investir em Obrigações do Tesouro do Estado Português e de outros estados através de fundos de investimento. Com isso consegue diversificar o seu risco, investir com montantes mais reduzidos e ter mais liquidez (sem prejudicar o seu retorno). Pode acontecer que a taxa não seja tão atrativa, mas aí também estará a correr menos riscos. Pense sempre que mais risco equivale a mais retorno e que deve investir para prazos mais alargados para aumentar a probabilidade de ganhar dinheiro.



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Em que podemos ajudar?

Outro