Seguro de Vida – Como Escolher o Melhor?

0
340
seguro de vida

Escolher um seguro de vida não é fácil. As modalidades são muitas e os preços variam bastante de acordo com inúmeros fatores. Neste artigo vamos ajudá-lo a decidir como escolher o melhor seguro de vida para o seu caso concreto.

Para Que Precisa De Um Seguro De Vida?

Infelizmente tendemos a olhar para os seguros apenas quando temos um problema. Mas os seguros são ferramentas financeiras que nos trazem bastante conforto e segurança. Na realidade, a grande vantagem do seguro de vida consiste em garantir que a nossa família fica protegida em caso de nos acontecer alguma coisa. Essa tranquilidade tem um custo, mas com elevada probabilidade compensa.

Os seguros de vida têm um caráter compensatório. Não é possível valorar a vida humana porque uma vida não tem preço. Assim, os seguros de vida garantem um capital que é negociado diretamente entre a seguradora e o seu cliente. Servirá este capital de compensação e não de indemnização.

Quais Os Tipos De Seguro De Vida?

Existem três tipos de seguro de vida, cada qual com as suas potencialidades:

  • Risco de Morte – A seguradora entrega um capital pré-contratado em caso da pessoa segura morrer durante o contrato de seguro. Este capital é entregue aos beneficiários que são nomeados pela pessoa segura. No caso do crédito habitação, o banco é o beneficiário irrevogável.
  • Risco de Vida – Um seguro que paga o capital mas apenas quando a pessoa segura está viva no final do contrato. É algo pouco comum e com um racional difícil de compreender. Na maioria dos casos mais valeria que a pessoa segura colocasse o valor do prémio numa conta poupança
  • Mistos – Combinam as duas possibilidades do seguro em caso de vida e em caso de morte. São já mais comuns.

Quais as Coberturas do Seguro de Vida?

Os seguros de vida cobram dois tipos de riscos:

  • Risco de Morte;
  • Invalidez – Que pode ser Absoluta e Definitiva ou Total Permanente.

Torna-se muito importante conhecer as diferenças entre os vários tipos de invalidez pois sendo mais ou menos abrangentes condicionam bastante a sua decisão. Por uma questão de prudência, tendemos a recomendar que opte pela cobertura mais abrangente. O prémio pode ser um pouco maior mas certamente que está mais protegido.

O Seguro de Vida É Obrigatório No Crédito Habitação?

O seguro de vida é um seguro facultativo. Ou seja, não somos obrigados por lei a contratar este produto. No entanto, a aprovação do processo de crédito pode ser condicionada. Ou seja, o banco pode-nos forçar a ter um seguro de vida, procurando assim proteger os seus interesses.

O que não pode acontecer é o banco obrigar à contratação do seguro de vida na sua seguradora. Temos a liberdade de escolher a companhia de seguros e se pesquisarmos um pouco conseguimos preços muito mais baixos em seguradoras independentes. E este facto é muito simples de explicar:

  • Quando contratamos o crédito habitação tendemos a olhar apenas para o spread e não para todos os outros custos;
  • O banco aproveita para cobrar mais pelo seguro uma vez que é comissionado também por esse produto.

Como Escolher o Seu Seguro De Vida?

Como em qualquer situação, o ponto de partida consiste em perceber as suas necessidades. Não vale a pena ir ao supermercado se não sabemos o que queremos comprar, certo? O mais provável seria comprarmos muitas coisas que não precisamos. O mesmo se passa com o seguro de vida. Assim, deverá saber à partida:

  1. Qual o capital que quer contratar;
  2. Quais as coberturas;
  3. Qual o espaço no orçamento para pagar o prémio.

O passo seguinte consiste em preencher o formulário de seguro de vida que não só garante a melhor cotação para as suas necessidades como, também, o ajudará em todo o processo antes, durante e após a contratação. Simples? Por que não ver quanto pode poupar no seu seguro de vida?

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorIncumprimento De Crédito Volta A Aumentar
Próximo artigoSonho Comanda a Vida. 3 Dicas para Concretizar Seus Sonhos
João Morais Barbosa
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.