Como conseguir poupar mais dinheiro todos os meses?

0
1144
poupar mais dinheiro

Um dos grandes desafios que enfrentamos e que nos dificulta poupar dinheiro é a falta de autocontrolo. Podemos ter grandes resoluções e definir grandes objetivos mas depois, quando tentamos “passar à ação” não conseguimos. Neste artigo vamos mostrar-lhe como a economia comportamental pode ajudar a poupar mais dinheiro.

O que fazemos ao nosso dinheiro?

Ao recebermos dinheiro temos de decidir o que lhe vamos fazer. A primeira reação passa por liquidar as contas que entretanto caíram (já pensou porque é que as instituições nos debitam a conta perto da data de recebimento do nosso salário?). De seguida, uma grande percentagem de famílias opta por deixar o dinheiro na sua conta à ordem para fazer face às despesas que estão previstas ao longo do mês.

Vemos claramente que nesta organização não estamos a dar prioridade à poupança mas antes priorizamos a despesa. É natural que tenhamos de honrar os nossos compromissos e ainda bem que isso acontece. No entanto, ao não atribuirmos prioridade à poupança como é que queremos poupar dinheiro efetivamente?

Como organizamos a nossa riqueza?

A organização da nossa riqueza é fundamental para podermos ter um maior controlo sobre os nossos comportamentos e sobre o nosso dinheiro. Shefrin e Thaler propõem uma hierarquização de contas bancárias com a qual nos identificamos:

  1. Conta do dia-a-dia (current assets) – A conta que mais usamos e que se destina a fazer face às despesas correntes. Tipicamente o dinheiro está na conta à ordem e poderá estar também aplicado em produtos financeiros com grande liquidez como sendo determinadas contas poupança (alguns bancos remuneram a conta à ordem, apesar da taxa de juro ser muito reduzida).
  2. Conta de poupança (current wealth) – Uma conta cuja mobilização é menos tentadora do que a conta do dia-a-dia mas que mesmo assim costuma ser movimentada para emergências ou outras despesas. Uma conta de poupança que aplica o capital em alguns produtos de poupança e de investimento.
  3. Poupança na casa (home equity) – É curioso que muito poucas pessoas considerem o pagamento do seu crédito habitação como uma forma de poupança. Isto deve-se ao desconhecimento de que uma parte do valor pago ao banco são juros e outra é amortização de capital. Na prática, estamos a constituir uma poupança forçada, que cresce todos os meses e que representa a principal poupança das famílias portuguesas.
  4. Poupança para a reforma (future income) – Uma poupança cuja necessidade é crescente mas que mesmo assim continuamos sem ter essa consciência. As contas de poupança para a reforma são arrumadas num canto do nosso cérebro o que nos leva muitas vezes a esquecermo-nos que temos o dinheiro poupado. Uma conta poupança que tipicamente temos muita relutância em movimentar, apesar de que com a crise tenha crescido o resgate dos PPR para amortização dos créditos habitação (sintoma de crise ou de miopia?).

Como poupar mais dinheiro?

Os autores referenciados anteriormente falam-nos da necessidade de passar as nossas poupanças para contas mentais que sejam menos líquidas. Ou seja, se queremos poupar dinheiro temos de tirar o dinheiro das nossas contas correntes e aplica-lo nas restantes contas, com especial destaque nas contas para a reforma.

Nesta fase podemos ser tentados a pensar que não conseguimos poupar (talvez faça sentido conhecer algumas estratégias para poupar dinheiro). No entanto, dizem-nos estes especialistas que nos seus estudos as pessoas que poupam para a reforma não retiram o dinheiro das suas contas de poupança. Ou seja, ao aplicar dinheiro na reforma estão a aumentar as suas poupanças como um todo. Talvez porque apliquem mais dinheiro da conta corrente no longo prazo?

Quais os produtos a constar da conta poupança reforma?

Sendo horizontes temporais mais alargados é fundamental encontrar os produtos financeiros que aproveitem ao máximo os benefícios que existem. Assim, é importante considerar:

  • Risco – Quanto maior o horizonte temporal maior o risco que deveremos assumir pois diz-nos a história que o risco é compensado por maiores níveis de retorno;
  • Eficiência fiscal – Os produtos financeiros de longo prazo são desenhados com uma grande preocupação com a eficiência fiscal. Sugerimos que consulte os PPR e os seguros financeiros cuja taxa de imposto é muito inferior à taxa praticada nos restantes produtos.

Agora é só começar. O primeiro passo é vencer a inércia. Depois acabamos por nos adaptar e conseguimos atingir os nossos objetivos.

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorPorque não invisto em arrendamento de curta duração?
Próximo artigoComo lidar com pequenas despesas no seu orçamento familiar?
João Morais Barbosa
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA