Crise: Boa Ou Má?

A afamada crise veio devastar uma série de conceitos que tínhamos como garantidos e irrompeu pelos seios familiares quase como de forma inesperada. Os que não se debruçavam sobre os estudos destas temáticas, não previam tal desfecho e devassa de suas vidas.

Despedimentos em escala, insolvências em crescendo, casamentos destruídos, e vidas sequestradas às mãos de necessidades que antes não se conheciam. Este é um escasso resumo de consequências dos últimos tempos vividos para muitos portugueses.

A Crise Também Traz Oportunidades

Muitos encontraram com criatividade novas formas de subsistência e descobriram dons que desconheciam. Part-times, negócios home-made, alugar um quarto lá em casa, ou mesmo arrendar a habitação permanente, passando para uma casa com um encargo inferior e conseguir assim rentabilizar o primeiro imóvel.

O Empreendedorismo Está Na Moda

O rápido crescimento de start-ups é prova do empreendedorismo e criatividade, que é cada vez mais tendência nas camadas mais jovens. O emprego para a vida terminou. As novas gerações também não estão interessadas em ficar muito tempo num mesmo sítio se não forem desafiadas constantemente. Acumulam-se funções de contratos com terceiros, com negócios próprios. Procura-se incessantemente o novo passo a dar.

Uma Nova Geração Que Marca o Ritmo: Millennials

Estes são os Millennials, e se não estamos entre eles, estamos a aprender com eles. Trata-se da geração que nasceu a partir dos anos 80, e tem uma forma de abordar o mundo bastante diferente das gerações anteriores. São quem dita hoje as tendências de mercado e o segmento mais apetecível para este. Chegaram à idade do consumo desenfreado. Estão no mercado de trabalho, têm capital, estão em idade de adquirir carros, habitações e tudo aquilo a que têm direito. Mas será mesmo assim?

Novas Consciências, Novos Mercados

Estes jovens concentram-se na experiência e não na posse, o que leva a uma nova inversão de valores profunda. Têm uma forte consciência ambiental, o que provocou o início de uma transformação radical nos sectores económicos, visíveis por exemplo nos mercados alimentares e de vestuário. O bem-estar animal é posto em causa e considerado como prioridade. A qualidade do que consumimos discutida e escrutinada vezes sem conta.  O trabalho de exploração deixa de ser algo tolerável, mesmo a fatura final sendo superior. E preferem pagar mais por um serviço, se estiver associado a uma causa que apoiam.

O Tempo Do E-Commerce

Os Millennials fazem um consumo racional, comparam valores, pesquisam várias vezes antes de finalizarem a compra. Impõem ao mercado uma presença na web, que se assume para todos como a montra do mundo. Actualmente, a maioria das compras inicia-se on-line e finaliza-se off-line. Esta nova dinâmica no consumo, obriga as marcas a estarem em constante actualização e com escuta activa sobre o que estes consumidores têm a dizer. Até porque um dos factores de decisão dos Millennials é o feedback on-line que recebem de outros utilizadores.

Aprenderam A Lição

Preferem arrendar e trocar do que adquirir. A grande responsabilidade de adquirir casa própria e assumir um crédito habitação para a vida está a perder um grande número de adeptos nas novas gerações. Já referimos que não querem um trabalho para a vida? Liberdade, mobilidade e experiência são as palavras de todos os dias.

Recusam o recurso ao crédito por impulso. Viram as suas famílias enfrentar as consequências mais graves da crise, e entrar em incumprimento, chegando alguns a perder os seus bens ou a suportar penhoras.

Imediatismo!

Hoje queremos tudo disponível no momento. Estamos a habituar-nos a que as marcas antecipem as nossas necessidades. Se queremos algo neste momento, alguém estará disponível para responder. Quando não temos resposta, descobre-se uma nova oportunidade de mercado. E hoje quem não se atualiza, fica para trás. Estamos na era do imediato. Postos de comida Grab & Go, ginásios abertos de madrugada, farmácias 24h 365 dias/ano, são sinais de resposta às exigências destas gerações.

As formas como as marcas respondem e a personalização dos serviços também «estão a dar cartas». Caso das aplicações Uber e Airbnb, que são o rosto desta geração. Ajustaram-se às novas tendências e agora moldam o mercado.

Partilha de Benefícios – Uma Excelente Forma de Poupar Dinheiro

Lavandarias self-service, trabalhos em cowork, lojas em segunda mão, troca de roupas entre amigos e outros, são práticas cada vez mais comuns porque optimizam a gestão do nosso orçamento e são uma forma de poupar dinheiro.

Nova Consciência Empresarial

As empresas também se adaptaram às novas necessidades das famílias. Será pouco provável encontrar um local de trabalho que não tenha à disposição dos colaboradores uma copa para refeições. Privilegia-se a poupança diária em almoços e o convívio entre os nossos pares colegas.

Práticas de boa gestão de recursos e políticas de desperdício são agora tema em voga nas formações aos colaboradores. Virámo-nos para uma gestão mais cuidada do nosso dinheiro. Temos uma consciência diferente sobre o que representa e de que forma tratá-lo.

Benefícios como seguros de saúde, formações solicitadas, apoio jurídico, massagens no posto de trabalho, lugar para estacionamento, parcerias com várias entidades, entre outros são também considerados para melhorar a vida dos colaboradores.

O Que Nos Reserva O Futuro

A preferência do ser em detrimento do ter, positivamente virou-nos para as nossas famílias, e para a criação de formas alternativas de fomentar o convívio entre os nossos familiares. O aumento do número de casamentos realizados nos últimos 2 anos indica isso mesmo. Estamos a reverter valores. Ou será apenas um indício do enfraquecimento da crise?



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Olá, sou o João, em que posso ajudar?

Outros