Meu querido filho, o dinheiro não cresce nas árvores

0
160
querido filho

Nos dias que correm, existe uma grande oferta no que respeita à produção e ao consumo dos mais variados bens. Para além de todas as ofertas possíveis, foi criado todo um sistema financeiro que permite acompanhar e facilitar a aquisição desses bens, desde a proliferação dos cartões de créditos, às financeiras ou à facilidade na aquisição de créditos pessoais, entre outros.

O grande mote é «compre já e pague agora… ou pague depois… ou logo se vê como poderá pagar».

Este facilitismo, no entanto, poderá esconder uma série de armadilhas, já que o «pagar depois» poderá originar duas situações financeiras perigosas e a evitar:

  1. O risco da acumulação de dívidas, através dos cartões de crédito (conheça a solução para eliminar mais rápido o seu cartão de crédito), fazendo com que, no final do mês, o seu rendimento total fique aquém das dividas que contraiu. Ou seja, vive sempre em défice por não conseguir fazer face ao valor em dívida;
  2. Os juros associados a esse pagamento atrasado, que ainda agravam mais as dívidas que já tem que regularizar.

Educar pelo exemplo

Para além de todos os riscos que estas questões trazem para a saúde financeira da família, não nos podemos esquecer que os filhos, esses pequenos seres «aparentemente» ingénuos, absorvem e imitam tudo aquilo que os pais fazem, na expetativa de se igualarem aos pais.

É importante que lidere a sua família pelo exemplo, demonstrando que os seus padrões de comportamento são elevados e que vão ao encontro daquilo que quer transmitir aos seus filhos.

O dinheiro exige esforço para ser ganho, e este facto poderá ser constatado pelo seu filho quando, por exemplo, vê o pai ou a mãe não só a cuidar muito bem da sua família e a passar tempo de qualidade em família, mas também quando têm a preocupação de aumentar a sua competência profissional, seja pelo estudo, pela leitura ou por outros mecanismos de aperfeiçoamento que estão ao seu alcance.

Viver com o que nos pertence

Proteja os seus filhos do falso facilitismo em adquirir todos os bens e mais alguns.

É importante educar financeiramente o seu filho. Pode começar por falar com ele usando a velha máxima que «o dinheiro não cresce nas árvores», que aquisição do dinheiro implica esforço, trabalho e competência, pelo que é importante que trabalhe para estudar bem e ter um emprego adequado às suas expectativas e capacidades.

Em termos práticos, pode evitar a utilização de cartões de crédito ou o hábito de «pedir fiado» na mercearia ou na padaria quando está com os seus filhos. No entanto, se tiver de o fazer, explique sempre os motivos e garanta que irá regularizar a dívida o quanto antes.

Não são os bens que tem ou que dá ao seu filho que definem a sua família nem que proporcionarão uma felicidade em pleno, mas sim os valores e formas de estar na vida que o vão fortificar e fazer crescer como um ser humano com mais carácter e mais completo, humanamente falando.

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorNovidades da MB Way – Pagamentos com QR Code
Próximo artigoSim ao consumo familiar responsável
Mafalda Morais Barbosa é mãe de 5 filhos e acredita que as relações familiares e a educação dos filhos passam não só pelos vínculos naturais de proteção e de afeto, mas também por uma formação cuidada e bem orientada para a complexa tarefa de educação dos seus filhos. É licenciada em Sociologia e possui um interesse especial pela área social e pela área da educação, áreas onde trabalhou durante vários anos.

DEIXE UMA RESPOSTA