6 Passos para Acabar com os Créditos

Crédito

6 Passos para Acabar com os Créditos

5 min Partilhar 23 de Fevereiro, 2012

Search
Generic filters
Exact matches only
festas para crianças

Depois de vários anos a cair, a procura de crédito voltou. Os bancos também estão mais interessados em dar crédito, especialmente os não portugueses que beneficiam de taxas de financiamento mais reduzidas. Apesar de tudo, é fundamental controlar o incumprimento de contrato de crédito. É preciso acabar com os créditos. E a melhor notícia é que é possível. Veja como de seguida.

Tenha Confiança em Si!

O ponto introdutório é um ponto de motivação. Apesar das dificuldades em manter os créditos controlados, existem pequenos passos que podem ajudar a controlar as dívidas. A manter a disciplina, tão importante para acabar de vez com esta prisão. Todos temos as capacidades para dominar o dinheiro e para combater o setor financeiro. Basta ter uma vontade de ferro e um aconselhamento isento.

Reconheça Que Tem Demasiados Créditos

Efetivamente um dos grandes problemas das pessoas com demasiados créditos é reconhecerem que efetivamente têm de cortar com eles. Para muitas destas pessoas o crédito não é (aparentemente) um problema. É sempre possível encontrar uma solução para resolver problemas com os créditos, nem que seja recorrer a mais crédito para pagar créditos. Até ao dia em que não conseguem. E depois? Nunca se esqueça que Crédito para pagar créditos não resolve, atrasa e aumenta os problemas. É necessário reconhecer o excesso de créditos e procurar soluções para os créditos existentes e não procurar por mais.

Faça uma Listagem de Todos os Créditos

Todos os créditos significa identificar e listar todos as dividas contraídas, desde as bancárias ás dividas não bancárias, como por exemplo, pedidos de empréstimos a familiares. Neste contexto, sugerimos que visite o site do Banco de Portugal que lhe dirá quantos créditos tem e quantos poderá vir a ter.

Ordene a sua lista por ordem decrescente do valor em divida. Por exemplo, se a sua maior divida é o seu crédito habitação então este deve ser o primeiro da lista, colocando seguidamente todos os outros créditos, como por exemplo, crédito automóvel, crédito electrodomésticos, crédito móveis, cartões de crédito, entre outros.

Com a sua lista completa é hora de procurar identificar as taxas de juro associadas. Se possui os contratos ou os extractos de cada crédito não deverá ser difícil encontrar as taxas de juro. Se não possui qualquer informação então, deverá telefonar à entidade gestora do crédito e procurar saber qual a taxa de juro do seu crédito. Regra geral, os extractos possuem contactos de apoio ao cliente.

Conheça as Suas Responsabilidades e Rendimentos

Nestes casos, possuir perfeito conhecimento das suas finanças pessoais faz toda a diferença. Provavelmente só entrou em descontrolo financeiro porque não conhece realmente a sua verdadeira situação financeira, logo, finanças pessoais é algo de novo na sua vida. Não se preocupe. Vai sempre a tempo. aproveite para ler os artigos sobre como criar um orçamento familiar e procure criar o seu. Irá encontrar imensas oportunidades para poupar dinheiro no seu próprio orçamento.

Todavia, não há tempo para analisar as entradas e saídas de dinheiro através do seu orçamento. Vamos antes efetuar uma pequena análise as entradas de dinheiro e às saídas mais importantes, aquelas despesas que são fixas todos os meses, como alimentação, energia, água, educação dos seu filhos, entre outras. Identifique todas as despesas, sem adicionar as prestações dos seus créditos e avalie a importância das mesmas. Assim que as identificar retire essas despesas ao total de entradas mensais e veja quanto sobra para pagar os seus créditos.

A Carência de Capital Pode Aliviar o Problema

Quando os rendimentos mensais já não são suficientes para corresponder com todas as responsabilidades mensais, procurar uma carência de capital pode ajudar na implementação de uma estratégia para se ver livre de créditos. Procure em todos os créditos o que possui maior encargo mensal em juros. Os extractos podem-no ajudar porque possuem o montante de capital amortizado e o montante de juros pagos em cada prestação.

É a parte de capital que lhe interessa, pois se conseguir negociar uma carência de capital será esse montante que irá ficar disponível todos os meses para liquidar os outros créditos que possui. É certo que nem todos os bancos estão disponíveis hoje para negociações, no entanto, também nenhum deles está disponível para presenciar um cliente a entrar em incumprimento. O que eles desejam é o dinheiro que financiaram e os respectivos juros pois a cobrança a clientes na lista negra do Banco de Portugal não é nada fácil.

Explique claramente que procurar maior estabilidade financeira e que um período de carência de capital permitiria resolver alguns problemas de liquidez existentes neste período de transição. Mas, não fale tudo, pois pode jogar contra os seus interesses.

Assim que conseguir a carência de capital no crédito que escolher é necessário ser ainda mais responsável, pois quando acabar a carência, prestações mais elevadas estarão à sua espera para as liquidar. Pegue nesse excesso e procure uma estratégia para liquidar os seus créditos, como as presentes no passo 5 e 6.

Negociei as Taxas de Juro

Todos estamos habituados a negociar spreads do crédito habitação, mas com o atual panorama económico poucos são os que se atrevem a negociar taxas de juro. Não é apenas no crédito habitação que é possível negociar taxas de juro, em todos os créditos é possível negociar. Procure quais os créditos que possuem maiores taxa de juros. Pode ser o seu crédito ao consumo, o seu cartão de crédito. Todos os que possuírem uma taxa de juro de dois dígitos é possível negociar.

Identifique cada um deles e escreva uma carta registada com aviso de recepção, identificando o crédito e a taxa de juro, bem como as razões pelas quais pede uma redução da taxa de juro. Quatro dias após o envio da carta entre em contacto com a entidade gestora do seu crédito, identifique o funcionário e procure saber como está o seu pedido. Anote tudo e guarde registos de tudo.

Amortize Antecipadamente as Dívidas Com Taxas Mais Elevadas

Do resultado da sua negociação anterior terá conseguido satisfazer alguns dos seus desejos e provavelmente está agora com maior conforto financeiro. No entanto, o crédito ainda lá está e é necessário começar a amortizar o quanto antes possível.

Identifique o crédito com maior taxa de juro que, em principio será o seu crédito ao consumo ou o seu cartão de crédito e comece a fazer pequenas amortizações extra a cada crédito. Pode-o fazer mensalmente, trimestralmente ou com a periodicidade que desejar, o importante é que faça. Não se preocupe com as comissões de amortização antecipada, pois se os créditos que escolher são do tipo crédito pessoal, cartões de crédito ou até mesmo crédito habitação as comissões são extremamente baixas ou poderão até nem existir.

Nunca Desista

Disciplina e persistência são os seus melhores aliados nesta etapa. Mas antes, imagine-se a viver a sua vida sem créditos. Como se sentiria? O que viria? Procure visualizar a sua vida sem créditos e torne essa imagem presente e intensa no seu pensamento. Tente sentir como seria extraordinário viver sem créditos e veja as grandes alterações na sua nova vida sem créditos.

Agora procure visualizar como lá chegou. O que fez pelo caminho. Certamente não foi contrair mais crédito mas sim o liquidar antes do prazo. Esta é a solução para acabar com os seus créditos. Depende exclusivamente da sua força de vontade e da forma como abraça este objectivo na sua vida. Afinal estamos a falar da sua vida.

Precisa de Ajuda?

Deixe-nos os seus comentários e as suas dúvidas. É possível acabar com as suas dívidas. Basta que queira dar o primeiro passo. E muitas vezes esse passo é apenas fazer um diagnóstico da sua situação financeira. Bastam uns minutos para perceber como pode acabar com as suas dívidas.



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Em que podemos ajudar?

Outro