Preços do Imobiliário – Será que não vão começar a cair?

Imobiliário

Preços do Imobiliário – Será que não vão começar a cair?

3 min Partilhar 11 de Junho, 2021

Search
Generic filters
Exact matches only
imobiliário

A pergunta de um milhão de dólares. Será que os preços das casas vão cair? Será que devemos esperar uma melhor altura para comprar casa? É impossível prever o futuro mas podemos pensar em alguns argumentos para perceber o que aconteceu e o que pode vir a acontecer. É o que vamos fazer já de seguida.

O que caracterizou 2020?

O ano 2020 foi um ano atípico em muitas coisas. Em termos económicos, assistimos a um impacto muito forte nas economias mundiais, sendo que Portugal acabou por ser ainda mais prejudicado. Tivemos uma contração do PIB e não tivemos um aumento expressivo do desemprego porque tivemos medidas artificiais de estímulo como o lay-off. Por outro lado, tivemos as moratórias de crédito, fundamentais para algumas famílias mas especialmente importantes para as empresas. Neste contexto adverso, convém deter-nos em alguns tópicos que consideramos relevantes:

Taxas de Juro

Desde há vários anos para cá, as taxas de juro de mercado têm vindo a cair de forma consistente, o que acaba por ter dois impactos importantes:

  • Beneficia quem tem créditos, tendo as prestações com crédito caído para níveis muito baixos, ao ponto de estarmos muitas vezes a amortizar apenas capital (ou mesmo receber juros do banco);
  • Prejudica quem tem poupanças, porque deixa de ter alternativas para aplicar o seu dinheiro nos produtos tradicionais como sendo os depósitos a prazo ou os PPR.

O efeito da falta de alternativa de poupança e do crédito barato tem sido um incentivo claro ao investimento imobiliário. Muitas pessoas estão a desviar o dinheiro dos seus depósitos e outros investimentos para a compra de casas para arrendamento, alavancando os seus retornos com recurso à banca. Por exemplo, tendo €10.000 disponíveis poderá comprar um imóvel (com recurso a crédito habitação) para colocar no mercado de arrendamento e facilmente ter um retorno perto de 6%-7% ao ano (ou mais!).

Resultado: Os preços dos imóveis continuam a aumentar em várias zonas, o que provoca problemas ao nível do arrendamento a muitas famílias. Pode parecer um contrassenso mas as rendas nestas zonas não baixam!

Incerteza económica

Uma segunda ideia que deveremos ter sempre em mente é que a incerteza económica e as restrições à circulação, aliadas à redução de custos de teletrabalho (como alimentação e transporte) fizeram com que a taxa de poupança das famílias tenha crescido para níveis que não víamos há muito. Esta poupança servirá agora de importante almofada em caso de necessidade e queremos acreditar que as famílias que mais sentirão o impacto económico (por exemplo, trabalhadores do setor do turismo) terão a prudência necessária.

Moratórias de Crédito

O argumento do fim das moratórias e do seu impacto no mercado imobiliário é uma grande incógnita. De notar que as moratórias em créditos caros e de curto prazo já acabaram e não sentimos assim um grande impacto. É certo que isso pode ter sido devido ao facto destas famílias manterem a moratória no crédito habitação. Mas será que deveremos esperar uma pressão assim tão grande:

  • Não esquecer que a habitação é a nossa prioridade número um, pelo que tenderemos a deixar de pagar outros créditos ou outras despesas e só em última análise deixar de pagar a casa;
  • Muitas famílias pediram moratória sem necessidade, aproveitando a oportunidade de juros baixos para acumular poupanças que servirão de almofada financeira;
  • Muitos investidores estão a aguardar para entrar no mercado, o que aliado ao facto de existirem poucas casas no mercado, tenderão a manter a relação oferta/procura estreita;
  • Existem medidas de renegociação de crédito para evitar o incumprimento, como sendo os períodos de carência. A banca estará muito disponível para tal, atrasando incumprimentos;
  • O incumprimento, a disparar, tenderá a demorar a implicar na disponibilização da casa no mercado. Sim, os proprietários poderão procurar vender de forma proativa, mas como não terão alternativas de arrendamento, acabarão por atrasar a venda. Apesar disso, o processo de execução e despejo demora bastante tempo.

E os estímulos económicos?

Algo menos negativo desta crise que atravessamos é o facto de não estarmos sozinhos. Ou seja, os nossos parceiros europeus e outros blocos económicos irão implementar estímulos económicos que terão impactos na produção e desemprego. Mesmo sendo atrasados, terão um impacto psicológico de maior otimismo. Em qualquer dos casos, poderemos esperar uma recuperação económica e momentos de crescimento económico forte não costumam vir associados a problemas de incumprimento no crédito habitação.

O que concluir?

Concluímos com algo que já referimos. Adivinhar o futuro é uma tarefa impossível. Existem motivos de incerteza, sendo o impacto do fim das moratórias e a efetividade dos estímulos económicos algo de grande relevo. No entanto, existem também fatores de suporte ao preço dos imóveis que não deveremos ignorar. É possível existirem reduções de preços em algumas zonas e tipologias? Com grande probabilidade sim. Mas serão essas reduções assim tão expressivas para justificar atrasar os seus investimentos? Por exemplo, se investir para arrendamento com uma taxa de retorno anual de 7%, ao fim do ano já conquistou aqui uma almofada importante para uma eventual redução do preço do seu imóvel.



Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Em que podemos ajudar?

Outro