Depósitos a prazo – Como escolher o prazo do seu depósito?

0
782

Se tem algum dinheiro disponível para aplicar em produtos com baixo risco, provavelmente conhece os depósitos a prazo. Saiba ainda que existem depósitos a prazo com taxas distintas e que estas taxas dependem do banco e do prazo que escolhe. Neste artigo vamos dar-lhe algumas indicações para o ajudar a escolher o prazo do seu depósito a prazo.

Desfazendo um mito

Antes de começarmos é fundamental desfazer um mito. Consideramos muitas vezes que os bancos atualmente não nos remuneram os nossos depósitos a prazo. É certo que nos habituamos a taxas de retorno muito superiores e também é certo que a grande generalidade dos bancos cortou as suas taxas de juro para níveis muito perto de zero. No entanto, isso não significa que todos os bancos sejam iguais. Há bancos que lhe dão taxas de juro nos depósitos a prazo mais interessantes do que a média (e não falamos apenas daqueles depósitos promocionais que pouco valor têm).

Quando precisa do dinheiro?

A primeira questão quando falamos na escolha do prazo passa por perceber quando irá precisar do dinheiro. Isto é fundamental pois importa não esquecer que se mobilizar o depósito antes do tempo poderá ser penalizado em parte ou na totalidade dos juros. Adicionalmente, pode ajuda-lo a decidir entre depósitos a prazo com ou sem mobilização antecipada, sendo certo que é compensado por “bloquear” o seu dinheiro em depósitos em que não poderá levantar o dinheiro (mesmo) antes do prazo.

Quais as diferentes taxas de juro?

A segunda questão a que tem de dar resposta prende-se com as taxas de juro para os diferentes prazos. Quanto maior o prazo, tipicamente, maior terá de ser a taxa de juro do depósito de modo a compensar o aforrador pela imobilização do seu património. Assim, tendo em conta a oferta do Banco BNI Europa em 08 de Outubro de 2018 (um dos bancos com a oferta mais atrativa atualmente), podemos ver (montante mínimo de € 1.000):

  • 30 Dias – 0.2%
  • 92 Dias – 0.4%;
  • 183 Dias – 0.7%;
  • 366 Dias – 0.9%

Analisando estas taxas, é importante perceber se nos sentimos confortáveis com as diferentes taxas de juro para os diferentes prazos. Por exemplo, pode fazer sentido aplicar o dinheiro a 183 e obter o retorno de 0.7% mas pode já não ser tão interessante receber apenas mais 0.2% num depósito com o dobro do tempo.

Temos ainda a necessidade de perceber qual será a evolução esperada dos juros. Por exemplo, se prevemos que dentro de uns meses as taxas de juro comecem a subir, pode fazer sentido fazer depósitos a prazo com prazos mais curtos e dentro de uns meses beneficiar da subida das taxas de mercado. Isto porque estas taxas são aplicáveis ao período todo e não são alteráveis.

Uma outra estratégia…

Uma outra estratégia poderá passar por fazer depósitos a prazo com diferentes prazos ou então para um mesmo prazo fazer vários depósitos. Assim ficamos com mais flexibilidade pois se tivermos de mobilizar o dinheiro podemos mobilizar apenas uma parte. Para isso, sugerimos que simule a taxa de juro que poderá obter e que trate de perceber se vale a pena mudar de banco 🙂

Quer saber qual o melhor banco para a sua conta à ordem?

Avalie este artigo
COMPARTILHAR
Artigo anteriorConta bancária em dólares – Valerá a pena?
Próximo artigo6 estratégias para poupar e ser (mais) feliz
João Morais Barbosa
Iniciou a sua carreira no setor financeiro onde desempenhou funções de analista de ações e gestor de fundos de investimento. Especialização em mercados e ativos financeiros no ISCTE e uma pós-graduação em Análise Financeira no ISEG, curso que lhe conferiu o Certificado Europeu de Analista Financeiro. Fundou a Escola de Finanças Pessoais – sendo co-autor de seis livros nesta temática (Manual das Finanças Pessoais, Manual da Poupança, Como Acabar com as Dívidas Pessoais e Familiares, O meu primeiro livro de Finanças Pessoais e Como ensinar o meu filho a poupar, Viva uma Reforma Feliz). Através da Escola de Finanças Pessoais já formou mais de 5.000 colaboradores de empresas nacionais e internacionais. Tendo sido Diretor-Comercial na DignusCapital, decide criar o seu projeto próprio na área da renegociação e intermediação de crédito, fundando a Reorganiza, empresa onde trabalha atualmente.

DEIXE UMA RESPOSTA